Um dos maiores sonhos de toda mamãe e papai de recém nascidos é que seu filho dormisse a noite toda. Seria uma alegria imensa colocar a criança no berço ou na cama e acordar no dia seguinte, junto com você, ou junto com o despertador, não é mesmo? Mas a realidade não é bem assim. O sono do bebê requer alguns cuidados extras. 

Imagine só: o bebê passou por 9 meses no útero materno, um lugar calmo, escuro, sem barulhos e movimentações do cotidiano. De repente, ele é colocado em um mundo que é completamente o oposto disso. O bebê, na maioria das vezes, vive em ambientes agitados, e os pais então precisam ter muita paciência e treino para fazer o filho dormir nas horas certas. Para os pais de primeira viagem, que receberam recentemente seu primeiro filho, a situação se complica e as dúvidas são ainda mais frequentes. Meu filho está dormindo demais? Por que meu filho quer dormir fora do horário certo? Pode dormir de barriga para cima ou é melhor deixar a criança deitar de lado?

São muitas dúvidas, não é mesmo? E a sabedoria popular não deixa isso nada barato – são inúmeras superstições criadas, que deixam os pais ainda mais desorientados. Para solucionar tudo isso, criamos esse blog post, no qual falaremos quais são os mitos e verdades com relação ao sono dos bebês.

1. Para dormir bem durante a noite, a criança não pode dormir durante o dia

Mito. Esse é um dos mitos que mais deixam os pais confusos. Cochilar durante o dia faz bem para o bebê, esses períodos são tão importantes para ele quanto o sono noturno. Se o bebê é privado desses momentos de descanso, pode se tornar uma criança com problemas de comportamento e desenvolver distúrbios como ansiedade, irritação e problemas de aprendizado. As mudanças que ocorrem no sono da criança são graduais: um recém nascido dorme cerca de 16 a 19 horas diárias, enquanto um bebê de 6 meses dorme cerca de 12 horas. Com o passar do tempo, a criança evolui para o sono apenas à noite. As sonecas são normais até os 3 ou 4 anos de idade. Respeite o tempo de seu filho.

 

   2. O bebê não deve se acostumar a adormecer no colo da mãe

Verdade. Os bebês aprendem tudo aquilo que os pais vão lhes ensinando. Se o bebê sempre adormece no colo dos pais, ele aprenderá que isso é o correto, e não se acostumará a dormir sozinho no berço ou na cama. Se o bebê adormece no colo e depois é colocado no berço, quando ele despertar no meio da noite não reconhecerá o local onde fora colocado, e se assustará, provocando o choro e deixando o bebê assustado e nervoso. Dessa forma, será difícil fazê-lo dormir normalmente – e será o fim de uma noite de sono para os pais. A orientação é que o bebê seja colocado no berço quando parecer cansado, ainda estando acordado, porém já sonolento, para que ele adormeça sozinho.

 

3. Não é bom dormir com a “barriga cheia”

Verdade. Não é aconselhável colocar o bebê para dormir logo após a amamentação ou ingestão de outros alimentos, pois ele pode apresentar mau estar. Além disso, é muito comum que o bebê regurgite o leite e, quando deitado, isso pode ser perigoso, pois ele pode aspirar o líquido de volta, se asfixiando. O ideal é acompanhar a criança e entender quais são seus horários, para que seja possível programar a alimentação para cerca de 2 horas antes do horário de dormir. Antes de dormir, o bebê pode tomar leite, mas em poucas quantidades. Espere ao menos o bebê arrotar o leite antes de colocá-lo para dormir. Outro conselho importante é colocá-lo para mamar com a cabeça elevada em relação ao corpo.

 

4. O bebê precisa ter uma rotina

Verdade. Os bebês podem ser ensinados a ter uma rotina. Uma rotina estruturada é uma excelente aliada para garantir a qualidade do sono noturno do bebê, e pode ser implementada a partir do quinto mês de vida da criança. É a partir desse período que o organismo dos bebês começa a produzir o hormônio da regulação do sono – a melatonina. A produção desse hormônio ainda é desregulada no organismo deles, mas existe um horário em que ela geralmente entra em ação, abaixando o índice de adrenalina e acalmando o bebê, geralmente entre as 19h e 20h. Nesse momento, os pais devem iniciar o ritual de rotina para o sono do bebê.

 

Existem algumas ações que podem ser adotadas para estimular o sono, como a diminuição da intensidade das luzes e sons do ambiente. Banhos, mamadas, trocas de fraldas e massagens também podem estimular o sono do bebê. Músicas calmas e contação de histórias também são recomendadas. Além disso, você pode oferecer à criança algum objeto, que muitos chamam de “naninha”. Quando ela segurar o objeto, ao longo do tempo, entenderá que o momento em que está com ele é o momento de dormir, e também servirá para confortá-la caso ela acorde no meio da noite.

 

5. É errado cochilar na cadeirinha do carro

Mito. Para cochilos rápidos, para descanso do bebê, não tem problema algum. O uso prolongado da cadeirinha como local de descanso é que não é recomendado. O bebê precisa dormir por períodos prolongados, como o sono da noite, no berço, pois esse tem as condições ideais para seu descanso. Além disso, como já aprendemos, a criança deve ter uma rotina de sono, e colocá-la para dormir em locais nos quais ela não está acostumada irá interferir nessa rotina, deixando-a mais agitada. Quando o bebê precisar cochilar na cadeirinha, fique atento aos cintos de segurança, pois existe o risco de que a criança se enrole nos cintos e sofra asfixia. Cuidado!

 

6. O recém nascido troca o dia pela noite

Verdade. É muito comum que o bebê faça essa confusão nos três primeiros meses de vida, pois ele ainda não entende a diferença entre dia e noite. A partir dos 6 meses de vida, é comum que o sono seja concentrado no período noturno. Para que isso aconteça, voltamos a dizer: é fundamental estabelecer uma rotina de sono para o bebê.

Não se esqueça de que é fundamental o acompanhamento da saúde de seu bebê por um pediatra. Problemas na saúde do bebê irão influenciar diretamente seu sono, assim como distúrbios no sono podem indicar que algo não está certo com seu filho.

 

Para o acompanhamento completo da saúde da sua família, procure a Clínica di Paula. Entre em contato pelo telefone (61) 3382-7494 ou por e-mail contato@clinicadipaula.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

//]]>